Dissertações defendidas em 2017

Linha 1: Leitura, Literaturas e Identidades

 

1.Título: Cantando rodas, contando histórias: o balanço da roseira e a cultura popular em Quixabeira.

Data da defesa: 27/03/2017

Texto completo em PDF

Mestre(a): Marline Araújo Santos

Orientadora: Profa. Dra. Márcia Rios da Silva

Resumo: A presente dissertação tem como objeto de estudo a cultura popular, tomando por base o grupo de rodas Balanço da Roseira, integrado por mulheres do município de Quixabeira, região noroeste da Bahia que compõe o Território de Identidade da Bacia do Jacuípe, a 300 km da capital, Salvador. Partindo do conceito de cultura popular, na perspectiva de autores como Stuart Hall (2009) e Néstor García Canclini (2015) as considerações se desdobram partindo da formação do grupo no intuito de tomar o grupo Balanço da Roseira como fruto da cultura popular local. Detentoras de um espaço e uma linguagem musical particular, as mulheres que participam do grupo revelam no que cantam o resultado do conhecimento que buscam legitimar. Para analisar a atuação do grupo, são observadas a estrutura das performances que realizam, com base nos estudos de Paul Zumthor (2010) e Richard Schechner (2013). É ainda empreendida uma análise das canções que compõem seu repertório, em que constam canções aprendidas nas quebras comunitárias de licuri, e produções atuais compostas para os eventos de que participam. Este é, portanto, um estudo direcionado à compreensão do grupo de rodas Balanço da Roseira como manifestação da cultura popular, reconhecida pela comunidade em que está inserida e, uma contribuição na tessitura de uma história da tradição oral no município de Quixabeira.

Palavras-chave: Cultura popular. Rodas. Quixabeira. Balanço da roseira.

2.Título: Literaturas de autoria indígena: metade cara, metade máscara.

Data da defesa: 27/03/2017

Texto completo em PDF

Mestre (a): Milena Costa Pinto

Orientadora: Profa. Dra. Elizabeth Gonzaga de Lima

Resumo: Nesta dissertação, investigam-se literaturas escritas de autoria indígena no intuito de identificar aspectos referenciais, como emergência, dimensões, perspectivas, circulação e constituição textual, situando-se o status dessas literaturas em relação a um sistema próprio e ao sistema canônico da literatura brasileira. O estudo busca compreender a relação entre Eliane Potiguara, autora de Metade cara, metade máscara (2004), corpus deste estudo, o contexto urbano-fronteiriço e a identidade indígena, destacando suas percepções acerca de questões de gênero alusivas à mulher indígena.  Sob o título “Literaturas de autoria indígena: Metade cara, metade máscara”, o trabalho teve como percurso metodológico a pesquisa exploratória com investigação em campo teórico. Configurada como bibliográfica, a pesquisa foi contemplada pela fundamentação teórica de: Daniel Munduruku (2013; [2016]; 2008), com a questão do essencialismo identitário e da literatura, e os elos entre escrita e oralidade; Lynn Mario Souza (2006), com o status da literatura indígena enquanto canônica e marginal, nacional e local, e tendo a performatividade como marca da oralidade; Oscar Sáez (2006), com as figurações autobiográficas e coletivas aplicadas à análise do corpus; José Maurício Arruti (2006), com o conceito de etnogênese; Gersen Baniwa (2006), que mediou a discussão sobre a retomada étnica, com os conceitos de autonomia e autodeterminação; Gayatri Spivak (2010), com o conceito de essencialismo estratégico; Walter Mignolo (2003), com o conceito de colonialidade do poder; Stuart Hall (2013; 2014) com a reflexão sobre identidade e diáspora; Antonio Cornejo-Polar (2000), na compreensão da heterogeneidade das literaturas de autoria indígenas; Boaventura de Sousa Santos (2004), com a questão da racionalidade do Ocidente; Michel Foucault (2015), com a subversão do poder dominante; Anibal Quijano (2005), com o conceito de estereótipo. A abordagem sobre os aspectos fronteiriços está amparada na teoria de Gloria Anzaldúa (1987; 2012), que, assim como Judith Butler (2003), atribuiu aporte às questões de gênero. Constatou-se, ao longo da investigação, que uma atuação por políticas de identidade no âmbito do Movimento Indígena interferiu na emergência e extensão das literaturas de autoria indígena. Confirmou-se também a existência do selo do Estado brasileiro, na forma de legislações, na emergência e circulação dessas literaturas.

Palavras-chave: Literaturas de autoria indígena; Eliane Potiguara; Emergência; Identidade fronteiriça; Figurações do feminino.

 

3.Título: A estética da perda em Caetano Veloso: estudo das composições de Domingo

Data da defesa: 27/03/2017

Texto completo em PDF

Mestre (a): Juan Müller Fernandez

Orientadora: Profa. Dra. Elizabeth Gonzaga de Lima

Resumo: Neste estudo buscou-se investigar o sentido da inscrição do sentimento de perda na Bossa Nova de Caetano Veloso, evidenciar os efeitos estéticos desse fenômeno no long-playing Domingo, gravado coletivamente com Gal Costa em 1967, e em que medida ocorre uma descontinuidade estética com a Bossa Nova standard. Por meio da análise das canções integrantes do referido elepê e das declarações do autor verificam-se os traços formais e ideológicos que compõem a performance do artista como sujeito enraizado, a afirmação da Bahia, a crítica à exaltação do urbanismo, a manifestação de estereótipos a respeito da Bahia, a dicção melancólica e nostálgica. A partir do conceito de perda, cunhado por Albuquerque Júnior (2001) para designar a invenção do Nordeste, elencou-se tais questões como forma de mostrar como Caetano Veloso, diante das alterações políticas e culturais ocorridas nos anos 60, fabula um espaço de lirismo e saudade na contracorrente da modernização pela qual passava o Brasil, opondo-se, por conseguinte, à estética bossa-novista. Orientam estas reflexões os estudos historiográficos em música popular brasileira, Tinhorão (2010), Tatit (2008) e Medaglia (1974), as pesquisas de Ridenti (2014) e Santiago (2002) acerca da irrupção da recusa à modernização na arte brasileira, a narrativa historiográfica sobre a Cidade da Bahia, bem como a ideia de “utopia de lugar”, propostas por Risério (2004; 2011), dentre outras obras.

Palavras-chave: Música Popular Brasileira. Bossa Nova. Caetano Veloso. Bahia. Perda.

4.Título: “SERTÕES EM CORRENTEZA”: o imaginário das aguas na produção romanesca de Carlos Barbosa.

 Data da defesa: 30/03/2017

Texto completo em PDF

Mestre (a): Joseilton Ribeiro do Bonfim

Orientador: Prof. Dr. Carlos Augusto Magalhães

Resumo: Faz-se, neste estudo, uma análise da produção romanesca, do escritor baiano Carlos Barbosa, tomando como foco o imaginário das águas, revelado a partir das narrativas A dama do Velho Chico (2002) e Beira de rio, correnteza: ventura e danação de um salta-muros no tempo da ditadura (2010). Procede-se a uma abordagem que apresenta o Sertão das águas do São Francisco a partir da problematização dos conceitos de regionalismo e ideário sertanejo. Esse redimensionamento revela como aquelas águas tornam-se força simbólica e elemento de releitura do espaço que outrora sempre fora representado como seco e improdutivo. Propõe-se também uma discussão sobre os conceitos de imaginação formal e imaginação material, postulados por Gaston Bachelard (2013), noções a partir das quais se aborda a apropriação da água para além de elemento orgânico, percebendo-a como elemento simbólico. A questão norteadora gira em torno da captação das imagens e símbolos circunscritos à presença constante da água nas narrativas estudadas. Como metodologia, foi adotada uma análise de cunho bibliográfico, a qual se valeu da leitura das narrativas de Barbosa, bem como de textos teóricos que fundamentam as análises aqui construídas. O conceito de Sertão foi discutido e problematizado a partir de Durval Muniz de Albuquerque Júnior (2009), Cláudia Pereira Vasconcelos (2012) e Ligia Chiappini (1994. 1995); a inserção da produção de Barbosa na contemporaneidade foi discutida a partir das propostas de Juliana Santini (2011, 2014), que trabalha com a ressignificação do regionalismo em obras contemporâneas. Discutiu-se o conceito de imaginário, desenvolvido por Gilbert Durand (2012). Jean Chevalier e Alain Gheerbrant (2015), Zilá Bernd (2007) e P. Commelin (1967), para referendar a análise dos símbolos. O estudo constata como a água redimensiona o espaço sertanejo, tornando-o plurissignificativo e como a presença marcante do elemento aquoso rompe as fronteiras regionais e mostra a universalidade da produção romanesca de Carlos Barbosa, a qual se insere num novo sentido de regionalismo.

Palavras-chave: Carlos Barbosa; Sertão das Águas; Rio São Francisco; Imaginário das águas

5.Título: Pairando sobre o abismo: da epidemia discursiva à escrita da Aids nas narrativas de Caio Fernando Abreu.

Data da defesa: 31/03/2017

Texto completo em PDF

Mestre (a): Ramon de Santana Borges de Amorim

Orientador: Prof. Dr. Carlos Augusto Magalhães

Resumo: O intuito deste trabalho é discutir questões referentes à escrita da AIDS nas narrativas de Caio Fernando Abreu, no sentido de entender e problematizar o conceito de escrita da AIDS a partir de sua identificação com a ideia de uma epidemia discursiva sobre a doença. Como corpus, foram eleitos contos das coletâneas Os dragões não conhecem o paraíso e Ovelhas negras, assim como a novela “Pela noite” e o romance Onde andará Dulce Veiga? A proposta central foi analisar representações não somente de Abreu como também de outros escritores brasileiros, os quais tematizam a AIDS e sua extensão e repercussão na sociedade brasileira. Ante tal propósito, tornou-se necessário discutir o momento histórico desencadeador das questões e problematizações com que se envolve a epidemia, uma vez que a escrita da AIDS se posicionaria como uma resposta ao imaginário e aos discursos reinantes no entorno da emergência da doença. A análise das narrativas se fundamenta em três eixos: a relação entre literatura e doença, a manifestação da AIDS nos corpos e a repercussão da epidemia nos espaços por onde trafegam os personagens. Como aporte teórico, recorreu-se ao apoio em autores de diferentes áreas, entre eles, destacando-se Herbert Daniel (1991), Italo Moriconi (2006), Joel Birman (2003), Marcelo Secron Bessa (1997, 2002), Susan Sontag (1989) e Zygmunt Bauman (1998, 2001).

Palavras-chave: Escrita da AIDS. Epidemia discursiva. Caio Fernando Abreu. Literatura e AIDS.

6.Título: FAVELOST (The book): Ficção científica de alma brasileira

Data da defesa: 03/04/2017

Texto completo em PDF

Mestre (a): Gilberto Cruz Viera júnior

Orientadora: Profa. Dra. Sayonara Amaral de Oliveira

Resumo: Surgida na década de 1980 dentro de um contexto tecnológico e social norte-americano, a ficção cyberpunk tende a ser enaltecida pela crítica brasileira como um modelo fundador a ser seguido pelas narrativas de ficção científica (FC) ou até mesmo parece estar situada como um suposto lastro qualitativo para as produções nacionais dedicadas ao gênero. Na contramão dessa tendência crítica, o termo tupinipunk, cunhado por Roberto de Souza Causo por volta de 1989 e fruto da fusão dos vocábulos “tupiniquim” e cyberpunk, nasceu como uma proposta para investigar uma ficção científica com características brasileiras específicas que a distinguisse do cyberpunk norte-americano. Percebe-se no neologismo, decorrente da junção daquelas duas palavras de idiomas diferentes, o esforço para se buscar uma maneira peculiar de falar do Brasil, ou melhor, um modo de dizer os contextos nacionais – sejam eles políticos, sociais ou culturais – que fosse capaz de ressoar tal qual uma voz que entoa suas realidades com sotaque próprio. Partindo desse pressuposto, o objetivo desta dissertação é investigar a dimensão tupinipunk em Favelost (the book), de Fausto Fawcett. A discussão enverada pelos questionamentos dos discursos hierarquizados que possam advir das narrativas das grandes potências, como lembra Suzane Lima Costa (2005), e a partir das quais o Primeiro-Mundo é valorizado como um espaço discursivo mais legítimo. Sintonizada a este pensamento, a narrativa que se faz objeto deste estudo é aqui considerada como empreendedora e combativa dos discursos Neocolonialistas mascarados. Daí o motivo pelo qual esta pesquisa recorre ao conceito antológico de antropofagia, formulado por Oswald de Andrade (1975) bem como às reflexões de Silviano Santiago (2000) e de Tania Carvalhal (2003) acerca da revisão crítica da noção de dependência cultural. Reunindo ainda vários estudiosos que contribuem para desenvolver a discussão aqui proposta e auxiliam a ler a intricada malha textual explanada em Favelost (the book), parte-se do princípio de que o conceito de tupinipunk permite questionar a hierarquia centro-periferia sob duas perspectivas. A primeira delas está relacionada àquilo que se possa perceber como realidade social brasileira e que embora possa ser interpretada de maneira crítica, sua proposta é amplamente afirmativa. O segundo ponto de vista está associado ao próprio status do tupinipunk como um conceito crítico da ficção científica nacional, o qual desvela a sua promissora autonomia e potência como produção periférica.

Palavras-chave: Ficção Científica; Tupinipunk; Tupi; Cyberpunk

7. Título: Um olhar sobre o cinema experimental de Edgard Navarro, O Superoutro.

Data da defesa: 08/06/2017  

Texto completo em PDF

Mestre (a): Maiara Bonfim Barbosa
Orientadora: Profa. Dra. Maria do Socorro Silva Carvalho

Resumo: Edgard Navarro é um dos representantes de um grupo marginado de realizadores audiovisuais que começou a filmar usando Super-8 na década de 1970, na Bahia. O preço mais acessível e o manejo simples do equipamento contribuíram para a difusão do estilo entre aspirantes como Navarro, que passou a usar o cinema como forma de expressão criativa. Começou com realizações que até hoje são lembradas: Alice no País das Mil Novilhas O Rei do Cagaço; e Exposed. Ele exibiu seus filmes e a si mesmo, se envolvendo em polêmicas nas telas e fora delas. Navarro tenta manter o espírito superoitista, mesmo filmando em outras bitolas. Esse trabalho se propõe a analisar o emblemático Superoutro (1989), como exemplo da sua prática experimental, em consonância com o conceito de “invenção” descrito pelo crítico de cinema e realizador Jairo Ferreira (1986). O premiado média-metragem traz para a história um doido varrido, interpretado por Bertrand Duarte, que vira morador de rua, e, usando a imaginação, se transforma em um herói sem superpoderes que busca a própria liberdade. Superoutro é identificado como síntese da produção prévia e uma chave que pode facilitar a compreensão das realizações seguintes, que o retomam como lamento ou buscando a leveza propalada pelo personagem central, que desafia a lei da gravidade e se livra das prisões. A filmografia de Navarro e o documentário sobre ele, As faces do cineasta gauche, são revisitados e usados como fontes. Textos escritos pelo próprio realizador e entrevistas concedidas por ele são articulados apontando que a sua postura experimental desliza entre vida e obra. Tendo em vista a dificuldade de acesso aos materiais sobre a temática abordada, a pesquisa apresenta, nos apêndices, uma sistematização de textos que estão, atualmente, disponíveis na Internet, resultado do trabalho de pesquisa realizado, desejando colaborar com investigações futuras.

Palavras-chave: Cinema experimental. Super-8. Cinema baiano. Edgard Navarro. Superoutro.

Linha 2: Linguagens, Discurso e Sociedade

 

1.Título:  Hashtags de cunho racista: efeitos de sentido e formas-sujeito em comentários e relatos em redes sociais

 Data da defesa: 09/03/2017

Texto completo em PDF

Mestre (a): Marcos André Queiroz de Lima

Orientador: Prof. Dr. João Antonio de Santana Neto

Resumo: A internet se tornou algo vital para as sociedades na contemporaneidade. Hoje não se pode pensar a sociedade sem incluir a internet. Praticamente tudo passa por ela, desde uma simples compra até uma terapia de autoajuda, por exemplo. Um dos aspectos mais instigantes da internet é o seu caráter interacional, e, nesse sentido, as redes sociais cumprem muito bem essa função, pois elas foram criadas com esta intenção: a de promover a interação entre as pessoas que as acessassem. Entre as mais conhecidas estão o Facebook, o Instagram e o Twitter. Tomadas como espaços discursivos por excelência, nelas desfilam discursos de toda natureza. Sempre à frente da sociedade, a internet abre espaço para novas tendências em todos os setores sociais. Na linguagem, uma das grandes novidades é o uso das hashtags (#) em construções discursivas, usadas para tornar uma ideia mais evidente. No Facebook, no Instagram e no Twitter as hashtags se consolidaram, sendo usadas em larga escala por muitos dos seus membros. Diante desse cenário, na presente dissertação buscou-se analisar algumas hashtags que surgiram como resposta a crimes racistas, bem como alguns comentários feitos nas redes sociais supracitadas e os efeitos de sentidos produzidos. O aporte teórico utilizado para realização dessa análise é a Análise do Discurso de linha francesa. Objetiva-se, portanto, observar como os sujeitos dos enunciados se comportam em relação ao racismo e como materializam suas ideologias nesses comentários os quais compõem o corpus trabalhado. Para tanto, outros conceitos são mobilizados – sujeito, posição-sujeito, formação ideológica, formação discursiva e silêncio –, considerando assim os contextos imediato e sócio-histórico, bem como a materialização ideológica apresentada nos enunciados selecionados.

 Palavras-chave: Internet;Hashtag; Análise do Discurso; Ideologia; Silêncio

2.Título: DISCURSO ASTROLÓGICO: condições de produção e interdiscurso no horóscopo das revistas Capricho e Cláudia.

 Data da defesa: 10/03/2017

Texto completo em PDF

Mestre (a): Ana Júlia Tavares Staudt

Orientador: Prof. Dr. João Antonio de Santana Neto

Resumo: A partir do horóscopo das revistas mensais Capricho e Claudia, depreendeu-se a análise dos aspectos relacionados à constituição de sentido, considerando-se a construção discursiva para um público adolescente e adulto feminino, respectivamente. Para tanto, foram selecionados seis exemplares das referidas revistas, a saber, três revistas Capricho e três revistas Claudia, de dezembro de 2014, janeiro e fevereiro de 2015. Este estudo está fundamentado na Análise do Discurso Francesa, que tem como principal representante Michel Pêcheux. Para realização da pesquisa foram adotados procedimentos metodológicos pertinentes à Análise do Discurso, considerando-se a pesquisa analítica-qualitativa. Efetuou-se um cruzamento entre os temas apontados no horóscopo com o objetivo de perceber possíveis regularidades. Na revista Capricho as regularidades encontradas no horóscopo foram para os temas que tratam do entretenimento-lazer, amor e saúde. Na revista Claudia as regularidades encontradas tratam, a saber, de entretenimento-lazer, amor, finanças e trabalho-carreira. A partir dessas regularidades, marcam-se as características das fases: adolescente e adulta. Identifica-se também, a partir da análise, o sujeito enunciador em plena identificação com a forma-sujeito na formação discursiva afetada pelo discurso do bom sujeito plenamente identificado com a ideologia da sociedade de consumo, na qual Capricho e Claudia estão inseridas. Através do corpus, depreendeu-se as condições de produção constituída dos sujeitos e situação e as formações imaginárias que decorrem, como a forma-sujeito se desloca na posição sujeito, ora como astrólogo ora como conselheiro ora, ainda, como cúmplice, por meio do discurso autoritário. Analisa-se o contexto estrito – o suporte do objeto, as referidas revistas identificadas com as formas da sociedade atravessada pela sociedade de consumo e bem viver. Também as formações discursivas que se submetem ao sujeito que, atravessado pelo esquecimento de nº 1 e 2, pensa ser o dono do seu dizer, contudo encontra-se assujeitado pela ideologia, nas relações parafrásticas em que se identifica a repetibilidade, ou seja, o pré-construído – o já-lá – a partir de dois eixos: interdiscurso e intradiscurso, materializados pela memória discursiva. Assim, o horóscopo no entremeio do discurso jornalístico e publicitário firma as ideias da representação feminina da beleza, do divertimento, do amor, ao mesmo tempo em que se verifica uma continuidade sócio-histórica e ideológica da mulher adolescente da revista Capricho para a mulher adulta de Claudia.

Palavras-chave: Condições de produção. Interdiscurso-memória discursiva. Horóscopo-revistas Capricho/Claudia.

3.Título: Bahia de Todos os Cantos e Recantos: marca identitárias e culturais na toponímia da Bahia.

Data da defesa: 22/03/2017

Texto completo em PDF

Mestre (a): Clese Mary Prudente Correia

Orientadora: Profa. Dra. Celina Márcia de Souza Abbade

Resumo: Entre os diversos campos de estudos linguísticos, a Onomástica – ramo da Lexicologia que estuda os nomes próprios de pessoas (antropônimos) e de lugares (topônimos) – representa uma fonte de estudo da língua e sua relação com o patrimônio cultural de um povo. Considerando que, em sua formação, além de influências etimológicas, semânticas e linguísticas, um topônimo recebe influências externas, originárias de condições geográficas, históricas, políticas, religiosas, culturais, sociais, registrando assim os contatos linguísticos e culturais entre os povos, identifica-se, através do estudo toponímico, a relação existente entre o léxico de uma língua e a cultura do povo que a fala. Desse modo, compreendendo a língua como manifestação de cultura e evidenciando seu caráter histórico e identitário analisa-se, pelo exercício do trabalho lexicológico, os 169 topônimos dos municípios do estado da Bahia inseridos nos volumes XX e XXI da Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, publicada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2 de julho de 1958, a fim de comprovar que traços de identidade e de cultura são neles conservados, podendo contribuir para a preservação da memória da região. Para a análise do corpus, utilizou-se a taxionomia proposta por Dick (1990) para um trabalho toponímico, registrando-se os dados coletados em fichas lexicográfico-toponímicas, organizadas de acordo com a segmentação do Estado em Territórios de Identidade, regionalização proposta pelo Governo da Bahia e que busca envolver o sentimento de pertencimento e de identidade dos moradores de cada região. A análise desenvolvida indica a relação dos topônimos com o ambiente cultural em que estão inseridos e permite verificar os aspectos que envolvem a língua, a cultura e a identidade das regiões analisadas.

Palavras-chave: Onomástica. Toponímia. Municípios baianos. Fichas lexicográfico-toponímicas. Territórios de Identidade

4.Título: O sobe e desce soteropolitano: estudo toponímico de ladeiras.

Data da defesa: 24/03/2017

Texto completo em PDF

Mestre (a): Marta Maria Gomes

Orientadora: Profa. Dra. Celina Márcia de Souza Abbade

Resumo: Neste trabalho, tem-se como objetivo relacionar os topônimos que designam as ladeiras da cidade do Salvador, no estado da Bahia, com a história da cidade. Para tanto, fez-se um recorte da toponímia urbana, especificamente, os nomes das ladeiras situadas na Região Administrativa 1 (RA1) – Centro, da cidade do Salvador, envolvendo as ladeiras utilizadas pela população soteropolitana no início da construção e povoação da cidade, projetada para ser “uma fortaleza e povoação grande e forte”, destinada a ser a “Cabeça do Brasil. Por conta da existência de um despenhadeiro, relativo a uma falha geológica, a cidade foi dividida em dois planos que, a um só tempo, repartiria as suas atividades. A Cidade Alta se consolidou em local de moradia, de comércio a varejo e das atividades político administrativas. No declive da encosta, a Cidade Baixa, desenvolveram-se os locais de trabalho, do comércio por atacado e das intensas atividades portuárias. Para resolver o problema do desnível, conferido pela geomorfologia do terreno, foram construídos tortuosos caminhos enladeirados que possibilitariam, ao longo da encosta, as rotas para o percurso da população e transporte de mercadorias. Ancorado nos estudos lexicológicos por meio da Toponímia, neste estudo procurou estabelecer uma relação entre o homem e os lugares por ele ocupado, analisando, entre outras, a ligação entre língua, cultura, sociedade e natureza, manifestada no processo de nomeação de logradouros. Conforme Dick (1990), um estudo toponímico permite resgatar aspectos da memória social de um povo, sem deixar de considerar o seu contexto histórico, geográfico, social e étnico. A coleta dos dados foi realizada por meio de consulta a informações fornecidas pela Secretaria Municipal de Urbanismo (SUCOM). A classificação dos topônimos que compõem o corpus seguiu o modelo teórico-metodológico da Lexicologia e da Toponímia adotado por Dick (1990; 1992; 1999).

Palavras-chave: Toponímia. Cidade. Salvador. Ladeiras. História.

5.Título: Estratégias argumentativas em discursos de Luiz Inácio Lula da Silva: construindo imagens e mobilizando paixões por meio do logos.

Data da defesa: 28/03/2017

Texto completo em PDF

Mestre (a): Aline Maria da Conceição de Jesus

Orientador: Prof. Dr. André Luiz Gáspari Madureira

Resumo: Na presente dissertação, promoveu-se um debate sobre o discurso político e a sua relação com a argumentação, com base na análise de algumas técnicas argumentativas, atreladas ao ethos, pathos e, sobretudo, o logos. Isso será feito à luz da teoria da Argumentação proposta por Chaïm Perelman e Lucie Olbrechts-Tyteca (1996) e, no campo da política, por meio dos pressupostos teóricos de Patrick Charaudeau (2006, 2007, 2008, 2009, 2013, 2014, 2015), observando as estratégias utilizadas por Luiz Inácio Lula da Silva ao produzir alguns dos seus pronunciamentos. Buscou-se, ainda, verificar as condições de existência do discurso de Lula ao observar os aspectos do discurso populista presentes em seus pronunciamentos. Além disso, foi possível compreender como o político enunciador/orador pode produzir certos efeitos no enunciatário/auditório a quem se dirige, devido à observância do contexto de produção do discurso para a aplicação adequada da tríade retórica e das técnicas argumentativas, intentando alcançar a adesão dos espíritos. Com base nas análises a que procedemos, observamos, ainda, que o sujeito político Lula possui uma maneira peculiar de lidar com o público e os argumentos utilizados por ele conferem um poder à sustentação de seus ethé e contribuem substancialmente para mobilizar as paixões do auditório, provocando efeitos patêmicos. Desse modo, neste estudo, mostrou-se como a tríade retórica e as técnicas argumentativas são utilizadas por Lula e como isso pode ter influenciado ou ainda influenciar pessoas no momento de aderir a determinadas ideias, projetos políticos e no momento de escolher em quem votar.

Palavras-chave: Discurso político; Lula; Técnicas argumentativas; Tríade retórica.

6.Título: Memória de um ethos coronelista no interior da Bahia

Data da defesa: 29/03/2017

Texto completo em PDF

Mestre (a): Elias Ramos da Silva

Orientador: Prof. Dr. André Luiz Gáspari Madureira

Resumo: Este estudo teve como objetivo verificar os possíveis traços do ethos coronelista materializado no discurso político proferido durante o processo eleitoral na cidade de Esplanada-Ba, em 2012.  O corpus escolhido foi a entrevista concedida ao jornal local – esplanadanews. O aporte teórico é de Análise do Discurso de linha francesa com base na perspectiva de Maingueneau. Deste, utilizou-se a noção de ethos discursivo, incorporação e cenas de enunciação. No entanto, foi necessário recorrer a outros teóricos como Patrick Charaudeau, Chaïm Perelman, Lucie Olbrechts-Tyteca e Victor Nunes Leal.  Do primeiro, usou-se a noção de discurso político; do segundo e da terceira, a noção de argumentação; do último, a noção de coronelismo.  Uma vez realizada a análise constatou-se que o ethos discursivo de cada candidato apresenta evidências de que o ethos coronelista continua presente não apenas na memória da população, mas nas crenças que norteiam a ação política no interior da Bahia. Também verificou-se  que este projeto não dá a questão por encerrada. Sendo, portanto, necessários outros estudos para compreender melhor a nova reinscrição da cultura coronelista nas cidades do interior da Bahia.

Palavras-chave: Ethos coronelista. Discurso político. Argumentação. Esplanada.

7.Título: Discursos midiáticos sobre a homofobia: as formações discursivas oriundas da morte do estudante ltamar Ferreira de Souza.

Data da defesa: 28/03/2017

Texto completo em PDF

Mestre (a): Liliane Silva de Aquino

Orientador: Prof. Dr. Gilberto Nazareno Telles Sobral

Resumo: A presente pesquisa insere-se no âmbito dos estudos de cunho analítico e tem como objetivo investigar, por meio do funcionamento discursivo de materialidades veiculadas pela mídia impressa, as formações discursivas que atravessam o discurso a respeito da homossexualidade a partir da morte do estudante Itamar Ferreira Souza. Os fundamentos teórico-metodológicos pautam-se na Análise do Discurso de linha Francesa, cujas bases foram articuladas pelo filósofo Michel Pêcheux, na década de 60 do século XX, a partir da qual são mobilizados conceitos elementares como Sujeito Discursivo, Formação Ideológica, Formação Discursiva, Condição de Produção e Interdiscurso. As materialidades que se constituem como objeto de análise – quatro notícias jornalísticas – foram veiculadas em dois periódicos baianos, a saber, Correio da Bahia e A tarde, que circularam entre 14 e 19 de abril de 2013, semana seguinte ao assassinato da vítima. A questão que se coloca diz respeito, portanto, ao modo como o fato noticiado mobilizou já ditos, discursos e ideologias a respeito da homossexualidade, do homossexual e da própria homofobia e como, em razão disso, diferentes saberes foram retomados e passaram a circular. A partir da apreciação das materialidades, identificamos duas formações discursivas presentes ao longo das análises: a primeira, que vislumbra a possibilidade de o crime ter sido motivado por questões eminentemente pecuniárias, uma vez que havia indícios de latrocínio; e a segunda, que aponta para a existência de motivação de cunho homofóbico.

Palavras-chave: Sexualidade, Homossexual, Homofobia, Mídia impressa.

8.Título: Johnnie Walker: um estudo sobre os processos de significação em uma campanha antológica.

Data da defesa: 28/04/2017

Texto completo em PDF

Mestre (a): Poliana Pereira da Silva

Orientador: Prof. Dr. Ricardo Oliveira de Freitas

Resumo: O objetivo principal dessa dissertação foi analisar, com base nos estudos da Antropologia do Consumo, a partir dos trabalhos desenvolvidos por Everardo Rocha (1995, 2000, 2005); Mary Douglas e Baron Isherwood (2013) e dos estudos semiológicos de Jean Baudrillard (1995, 2008, 2015), uma campanha publicitária assinada pela Johnnie Walker, a marca de whisky mais vendida do mundo. A campanha foi lançada mundialmente em 2002 e publicada, entre outras mídias, em cartão postal, antigo formato de anúncio publicitário. Batizada de Quotes, ela se destacou por citar (quotes = citações) trechos de discursos atribuídos a nomes importantes da literatura mundial, da filosofia, da política e da ciência, coligidos sob o tema do progresso pessoal. Dessas citações, cinco foram escolhidas para a análise, buscando responder às seguintes questões: a) Qual a relação entre as citações, o slogan e a marca? b) A partir das citações e dos seus contextos sócio-históricos, quais os valores e as visões de mundo que estariam ligados à ideia de progresso, de acordo com a campanha? c) Como o produto é representado na campanha? O método utilizado foi a semiótica de base peirceana. Os resultados do estudo revelam a importância da publicidade, sobretudo das campanhas institucionais, para conferir e manter uma identidade à marca e, ao mesmo tempo, ao produto, libertando-o do anonimato e da impessoalidade a que ele está exposto na esfera da produção industrial. Por meio da análise das citações, dos seus processos sócio-históricos de produção, foi possível compreender que o progresso pessoal, na perspectiva da campanha, encontra-se alicerçado em valores como esperança, coragem, persistência etc. em uma visão de mundo que acredita na autossuperação, no ser humano e no seu potencial para vencer adversidades. A partir desses valores, que se apresentam sob metáforas, associados à marca e ao seu slogan, a campanha transforma o objeto em signo, em um processo no qual a publicidade funciona como operador totêmico.

Palavras-chave: Johnnie Walker. Antropologia do consumo. Publicidade. Signo.

 

8.Título: ENTRE O IMPRESSO E O DIGITAL: as experiências de escrita dos jovens do grupo Sarau da Onça.

Data da defesa: 08/05/2017

Texto completo em PDF

 Mestre (a): Adriana Leal de Andrade

Orientadora: Profa. Dra. Lígia Pellon de Lima Bulhões

Resumo: Propomos um estudo interpretativo de base etnográfica das práticas culturais letradas de cinco jovens que são organizadores do grupo cultural Sarau da Onça, tendo em vista os textos escritos que compõe originalmente os seus eventos no bairro de Sussuarana, em Salvador, e sua migração para o espaço online do grupo, ou fanpage, como hipertextos. A questão geral que norteia o trabalho é a comunicação digital e interativa de grupos culturais em redes sociais, através dos textos escritos, geralmente advém de práticas culturais letradas do que chamamos de mundo off-line.  O objetivo geral da pesquisa foi o de realizarmos um estudo interpretativo de base etnográfica, fundamentada na chamada etnografia mista (online e concreta), sobre as relações entre os usos de escrita do mundo online e os usos de escrita do mundo off-line de cinco sujeitos participantes da Fanpage Sarau da Onça , Tendo como ponto de vista teórico a perspectiva sócio-histórica e dialógica para o estudo dos gêneros do discurso, de Bakthin, e os conceitos de multi/hiperletramento, hipermídia, hipertexto e multiculturalidade.

PALAVRAS-CHAVE: Gêneros do discurso, Sarau da Onça, práticas de escritas online e offline,

 

9.Título: Crenças sobre o ofício de ensinar a escrever em Inglês

Data da defesa: 18/07/2017

Texto completo em PDF

Mestre (a): Paulo Roberto Correia Esteves

Orientadora: Profa. Dra. Adelaide Augusta Pereira de Oliveira

Resumo: 

PALAVRAS-CHAVE: